Quarta, 12 Abril 2017 19:42

Entrevista com Rubens de Castro

Rubens de Castro é mineiro de 41 anos, natural e residente em Uberlândia – Minas Gerais.

É casado com Divina, e tem dois filhos, Rodrigo e 14 anos e Patrícia de 7 anos.

Atualmente sua atividade profissional é Jornalista, trabalhando com Assessoria de Imprensa. Espírita há 25 anos, é fundador da Web Rádio Fraternidade, www.radiofraternidade.com.br

Você apresentou o Programa Fonte Viva de Luz em Uberlândia, durante quanto tempo?
Pois então, junto com amigos estávamos nesse trabalho por cerca de uns 8 anos.

Como surgiu a ideia de criar a Web Rádio Fraternidade?
É interessante. Quando as portas se fecharam na rádio convencional estava faltando alguma coisa. Lembro que sempre nas orações antes de deitar, no “bate-papo” com Jesus, sempre rogava a oportunidade de trabalhar a divulgação da Doutrina Espírita pelo rádio como fazíamos no Fonte Viva.

O tempo passou. Numa manhã de dezembro de 2008 acordei com tudo na cabeça. Parecia que tinha chegado do Plano Espiritual com tudo definido. Aliás, parecia não. Era verdade.

O nome já estava na cabeça: RÁDIO FRATERNIDADE. Registramos o domínio e corremos atrás para aprender toda parte técnica. Não sabíamos nada. A internet foi uma grande aliada para aprendermos. E também claro, a inspiração dos Benfeitores.

Não tenho dúvida nenhuma que fui apenas o instrumento. Existiam coisas, principalmente técnicas, que se não tivesse a ajuda Deles, não saberia como fazer. A rádio funcionou em caráter experimental de dezembro de 2008 a 31 de janeiro de 2009. Oficialmente foi ao ar com uma programação pré definida em 1 de fevereiro de 2009.

Quais as dificuldades encontradas no início?
Um trabalho como esse que fazemos e que outros estão fazendo precisa de muita dedicação.

Pelo menos dentro da nossa proposta que é ter uma transmissão que se apresente como se os ouvintes estivessem ouvindo uma rádio com freqüência hertziana.

Mas a grande dificuldade era realmente saber como iríamos fazer o trabalho. Não é fácil. A parte mais difícil foi aprender a fazer a rádio funcionar na prática.

Quais os programas de computador usaríamos? Como fazer a rádio pela internet? Mas deu tudo certo.

Partimos do zero e tenho a certeza de que o Alto nos guiava para aprendermos. A internet foi e ainda é um instrumento fantástico de pesquisa e com ele descobrimos como fazer. E, aliás, até hoje a utilizamos para aprender e aperfeiçoar o trabalho.

Com quanto voluntários a Web Rádio Fraternidade conta hoje e quais as atividades que realizam?
É difícil falar. Muitas pessoas ajudam de alguma forma. Umas mais, outras menos. Mas cada um dentro das suas possibilidades. Alguns programas foram criados por amigos, outros se desdobram, dentro das suas possibilidades para ajudar na resposta aos ouvintes que se manifestam. Temos ainda a parte de tecnologia do site que foi toda criada e desenvolvida por amigos.

A Rádio hoje pode ser acessada inclusive no celular.

Temos ouvintes que nos ouvem, por exemplo, no iphone, tanto aqui no Brasil, quanto fora. E isso só foi possível com a dedicação de amigos que tiraram tempo de seus afazeres para se dedicarem a esse singelo trabalho.

Só Deus para retribuir todo o apoio que recebemos. Mas existe sempre espaço para quem quer ajudar. Agora estamos numa fase de aproveitar eventos que são realizados pelo Brasil e mundo e tentar transmiti-los ao vivo. E estamos sempre precisando de gente para nos ajudar nisso.

Quantos acessos já teve o site até hoje?
Estamos hoje, com 720 mil acessos e mais de 6 mil registros de ouvintes no nosso Livro de Recados.

Inclusive essa parte foi pensada para termos um canal de interatividade com o ouvinte. Encontramos lá muitos depoimentos interessantes. Outro canal de interatividade que criamos foi o skype.

O ouvinte liga para o skype da rádio que é radio.fraternidade . Ele vai ouvir uma mensagem e em seguida poderá mandar o seu recado, gravando um áudio que depois de avaliado vai para a programação da rádio. Isso é muito legal, aproxima os ouvintes desse trabalho.

A que você credita o crescimento da Rádio?
É interessante isso. Nossa propaganda é de boca em boca. Quando completamos em fevereiro de 2010, o primeiro aniversário lembro muito bem que naquele momento marcávamos cerca de 170 mil visitas.

Para o segundo ano os números mais que dobraram e hoje ultrapassamos a casa de 700 mil visitas e caminhando para o 1 milhão de acessos. O crescimento desse trabalho creditamos, acima de tudo, a Deus.

Como sempre digo, somos instrumentos. Não é fácil dentro de nós lutarmos contra a vaidade que um trabalho como esse pode despertar aqui dentro da gente. Por isso mesmo, tenho orado muito ao Alto para que esse trabalho siga as diretrizes planejadas pelos Amigos Maiores. O trabalho é simples, com Amor e de Fraternidade.


Vocês ja fizeram duas transmissões ao vivo, um no 26º Congresso Espírita de Goías e outra no 3º Congresso Espírita Brasileiro em Brasília. Como foi esta experiência?
Por ser jornalista a idéia do ao vivo vem de encontro a uma realização pessoal. As vezes faço um paralelo com o que encontramos nas redes de rádio e TVs comerciais. Eles transmitem futebol, basquete, vôlei e etc.

Temos também as TV Legislativas e Judiciárias que transmitem inclusive sessões parlamentares e de julgamentos. Ora por que não fazemos isso dentro do nosso meio? Dentro das atividades Espíritas?

Temos tanta coisa boa acontecendo nesse Brasil e no Mundo. Já fizemos várias transmissões ao vivo. Se pudéssemos, se tivéssemos recursos financeiros estaríamos in loco, em vários eventos espíritas.

Mas isso demanda recursos com deslocamento e etc. As duas transmissões que você perguntou foram oportunidades ímpares. Amo fazer rádio. E o rádio ao vivo é diferente.

Transmitimos na íntegra os Congressos Espíritas de Goiás em 2010 e 2011 e via satélite o Congresso Brasileiro. Muitas pessoas usaram o livro de recados e o e-mail da rádio para agradecer a oportunidade de acompanharem esses eventos.

Inclusive transmitimos muitas palestras ao vivo, desde Uberlândia e também na região. Tudo com a tecnologia de internet 3G. Estreitamos esse ano uma nova modalidade de transmissão contando com a ajuda das pessoas que estão promovendo atividades.

Os promotores do evento nos ajudam a fazer a transmissão para um canal alternativo da rádio e dele, nos estúdios da rádio fazemos a transmissão. Funciona como muitas redes de TV fazem para transmitir partidas de futebol do exterior.

Uma equipe fica aqui no Brasil, no estúdio. E com imagens vindo do satélite fazem a transmissão daqui mesmo.

A nossa diferença é que não usamos o satélite e sim a internet. Aliás, até usamos sim o satélite.

Tanto para transmitir o Congresso Espírita Brasileiro em 2010, quanto esse ano o seminário de Divaldo Franco, desde Salvador, cuja a temática foi Transição Planetária sintonizamos a TVCEI por satélite e fizemos a transmissão do áudio.

Aliás esse seminário do Divaldo possibilitou um recorde de audiência para esse nosso pequenino trabalho.

Qual o objetivo da Web Rádio Fraternidade?
O nome já diz muita coisa: FRATERNIDADE.

Quando criamos a rádio ela já veio com um slogam: Rádio Fraternidade a emissora do bem na internet ajudando a construir um mundo melhor.

E a melhoria do mundo passa pela transformação interior nossa. E nosso objetivo é esse.

E não existe nada melhor para alcançar isso do que a terminologia FRATERNIDADE. Não queremos converter ninguém em espírita. Inclusive temos muitos ouvintes de outras denominações religiosas, espiritualistas e etc.

Divulgamos o Consolador com o propósito de mostrar que o caminho de renovação do Ser é essencial para termos um mundo melhor, a partir de pessoas melhores.

Quais as novidades que vocês planejam para 2011 para a Web Rádio Fraternidade?
Vontade de fazer muita coisa não falta. Companheiros estão somando conosco e ajudando muito nesse trabalho.

O mais imediato é a estreia de um programa produzido pelos colaboradores na Suiça e que se chamará Fraternidade na Europa. O programa estreia em julho.

Tem um outro programa que deve estreiar na segunda quinzena de agosto que será muito interessante e cujo título é: Nas Pegadas da História – A Mediunidade e o Espiritismo através da história.

Mas temos muitas coisas que gostaríamos de fazer. Entre elas muitas transmissões ao vivo de eventos espíritas que acontecem nesse Brasil e fora dele.

Ainda falta na nossa programação algo feito e voltado para jovens e também para crianças. Mas as coisas vão caminhando. Esperemos com paciência que tudo tem o tempo certo.

Temos também já programado para 2012 o aniversário de três anos da Rádio Fraternidade que será comemorado no dia 28 e 29 de janeiro de 2012, com seminários promovidos pelo expositor Alberto Almeida.

Você tem mais algum projeto a realizar para o futuro com relação a divulgação da Doutrina Espírita?
Quando descobri a Doutrina Espírita entendi que podia, com o meu conhecimento profissional, auxiliar para levá-lo além das paredes da Casa Espírita. Sinto que essa era uma necessidade minha.

E penso que temos por ai pessoas com um fantástico conhecimento profissional.

E esse conhecimento poderia ser utilizado para auxiliar a divulgação da Doutrina. Penso que nessa tarefa que desempenhamos com a divulgação espírita, com várias web rádio, TVs e etc, nós não somos concorrentes, aliás, somos todos parceiros, afinal nosso objetivo é o mesmo: divulgar a Doutrina Espírita.

As grandes redes de rádio e TVs são concorrentes entre si. Nós, não! Nós somos parceiros! Nosso objetivo é comum! E precisamos estar cientes disso. Considero que todos nós precisamos dar as mãos, deixar o personalismo de lado, e levar a mensagem, sem queremos pensar que somos melhores, ou que o nosso trabalho é melhor do que o do nosso confrade. Falo isso, primeiro para mim!

Como você se sente sendo um dos fundadores de um Projeto que leva tanto consolo e informação sobre a Doutrina Espírita?
Não quero cansar de dizer: eu, Rubens de Castro, se não tivesse a ajuda dos Amigos Espirituais talvez estivesse perdido nesse mundo. Esse trabalho não é do Rubens. Fui apenas instrumento.

E como ainda sou um espírito necessitado de crescimento, aproveitei a oportunidade de ser útil. Rogo a Deus todos os dias para que possa ser sempre digno de estar trabalhando nesse projeto.

O que você diria para as pessoas que gostariam de auxiliar na propagação da Doutrina Espírita, mas não sabem como fazer isso?
É interessante essa pergunta. Muitas vezes as pessoas querem ajudar mas não sabem como.

Sempre digo que em qualquer tarefa, a boa vontade é o pontapé inicial. Se você tem boa vontade, amor naquilo que está fazendo, as outras coisas você vai conseguir com o tempo.

Se você quer fazer algo, vá em frente, rogue ao Alto a ajuda e quando observar as circunstâncias, essas estarão se descortinando à sua frente. Qualquer trabalho que desempenhamos exige de nós persistência.

Um trabalho não pode começar na empolgação hoje, ter dificuldades amanhã e em seguida encerrar, fechar as portas. Por isso, se não tiver AMOR naquilo que se faz, por vezes, o trabalho se encerra.

As dificuldades vão aparecer, mas é preciso superá-las. Só superamos se tivermos AMOR naquilo que estamos fazendo

Gostaria que você deixasse uma última mensagem para os leitores de nosso site.
Emmanuel deixou claro numa frase que usamos cotidianamente: “O maior bem que podemos fazer em prol da Doutrina Espírita é a sua divulgação”. Estamos divulgando da forma que ela merece? Deixo essa pergunta para a reflexão de todos nós. Acrescento ainda que façamos nossa parte.

Deixemos de lado, como disse anteriormente nessa entrevista, o personalismo de lado. Esqueçamos as questões pueris. 

Por: Rita Ramos Cordeiro 

Cadastre-se em nosso informativo

CAPTCHA